quarta-feira, 21 de julho de 2010

SALVADOR - CAPITAL MUNDIAL


(Para visualizar clique na imagem)
Vinte projetos arrojados que prevêem grandes intervenções urbanísticas para o desenvolvimento sustentável da cidade irão transformar Salvador nos próximos anos, em sintonia com os mais modernos estudos sobre a urbanização e sustentabilidade de grandes cidades do mundo. O projeto, batizado de Salvador Capital Mundial, foi criado por alguns dos mais conceituados arquitetos e urbanistas do Brasil e prevê soluções para o transporte, para o trânsito e para o crescimento da cidade. Serão abertas novas vias de tráfego, implantados sistemas modernos de transporte, revitalização da orla, da cidade baixa, novos equipamentos de cultura, de lazer, de esporte, requalificação e ampliação da estrutura turística. Tudo isso visando melhorar a qualidade de vida dos seus habitantes.
Alguns projetos foram doados pelos arquitetos e por instituições privadas. Outros foram contratados pelo Governo da Bahia e pela Prefeitura de Salvador. Segundo o prefeito João Henrique, algumas obras já dispõem de recursos disponíveis e se encontram em fase de execução. A meta é preparar a cidade para receber os jogos da Copa de 2014, quando parte dos projetos já estará concluída e, a cidade, em condições estruturais de receber os milhares de torcedores brasileiros que virão assistir aos jogos do Mundial.
De acordo com o prefeito João Henrique, “a Copa de 2014 vai trazer grandes investimentos para as cidades-sedes”, avaliou. Com as obras, “Salvador entra na era de desenvolvimento sustentável das grandes capitais mundiais, preservando tudo aquilo que a transformou na cidade mais amada do Brasil”. Segundo João Henrique, as demandas geradas pela Copa de 2014 indicam que os projetos voltados para a mobilidade urbana e os de infraestrutura na Orla Atlântica serão os prioritários, visando dotar a orla, desde a Barra à Praia do Flamengo, de condições de abrigar novos complexos hoteleiros.
A necessidade de ajustar os equipamentos urbanos da cidade a uma nova realidade mundial, preservando a história e as belezas da primeira capital do Brasil; incorporar o desenvolvimento sustentável a uma cidade que cresce em um ritmo alucinante; e estruturá-la para os turistas, mas com melhor qualidade de vida para seus habitantes, foram os principais desafios enfrentados pelos arquitetos e urbanistas para planejar o futuro de Salvador.
Para a população, o projeto representa a garantia de uma cidade mais humana e confortável, dotada de infraestrutura adequada e em condições de suportar o acelerado crescimento que vem se verificando nos últimos anos. “É preciso começar um processo de revitalização na cidade, criar um movimento em uma cidade com tantos problemas e com demandas cada vez mais urgentes da sua população. Vamos movimentar o comércio, o turismo, gerar empregos e renda, atrair novos investimentos, movimentar a economia e, certamente, todos vão se beneficiar com isso, principalmente a população”, avaliou João Henrique.
Participaram da elaboração dos projetos os arquitetos Sidney Quintela, João Filgueiras Lima (Lele), as entidades Fundação Bahia Viva e Instituto Viver Cidades e as empresas TTC – Engenharia de Tráfego e Transportes, ABFI – Empreendimentos e Participações Ltda., e Empreendimento Costa Espanha.

Os principais projetos a serem executados na cidade

O principal eixo do projeto Salvador Capital Mundial está assentado na questão da mobilidade urbana. Garantir aos cidadãos condições dignas de trafegabilidade e acesso ao transporte público rápido e eficiente são duas principais vertentes do projeto. Com essa preocupação, busca-se resolver alguns dos graves problemas do trânsito e do transporte coletivo de Salvador e Região Metropolitana. As ações estão consolidadas em dois grandes planos: Rede Integrada de Transporte (RIT) e Programa de Obras Viárias (PROVIA).

Rede Integrada de Transporte (RIT)

Esta rede prevê a implantação de um Sistema Multimodal de Transporte de passageiros. As principais ações compreendem a a modernização dos trens do Subúrbio Ferroviário, a complementação da linha 1 do Metrô (Lapa/Acesso Norte), atingindo o percurso de 12 km entre Lapa e Pirajá; a revitalização do Plano Inclinado (Liberdade/Calçada); e, a principal novidade, o Sistema BRT (Bus Rapid Transit), que, em Salvador vai se chamar TransMetrópole. Vias exclusivas vão garantir o transporte coletivo mais rápido e eficiente para a população. Este sistema será operado por ônibus de grande capacidade e com prioridade de circulação no tráfego geral. Prevê redução dos tempos e dos custos de deslocamento, agilidade no atendimento, mais segurança para os passageiros e menos emissão de poluentes.
O sistema BRT foi escolhido para Salvador em razão da sua rapidez e baixo custo de implantação e, também, pela possibilidade de sua modulação e fácil adequação da infraestrutura física no tratamento do sistema viário. Esse sistema está planejado para um total de 135 km de corredores de ônibus. Na primeira fase, serão 36 km de vias segregadas para ônibus, nas avenidas Paralela, ACM, Juracy Magalhães, Barros Reis e Vasco da Gama. Já na segunda etapa, 44 km de vias percorrerão as avenidas Jorge Amado/Edgar Santos, Pinto de Aguiar/São Rafael, Gal Costa, Dorival Caymmi/São Cristóvão e Barroquinha/Sete Portas/Heitor Dias.
Posteriormente, mais 55 km de vias (denominado de “Rota Fluida”) serão implantadas com propostas de adequação viária para dar maior fluidez à circulação dos ônibus e ao tráfego de veículos em geral, abrangendo as avenidas Silveira Martins, Afrânio Peixoto (Suburbana), Orla Marítima, Aliomar Baleeiro (E.V.A.) e São Caetano, dentre outras avenidas. Está prevista também a extensão ao município de Lauro de Freitas, apoiada nos 9 km iniciais da Estrada do Coco (BA-099), e ao Aeroporto Internacional.

Programa de Obras Viárias (PROVIA)

O PROVIA vai solucionar os maiores engarrafamentos da cidade na região do Iguatemi, Bonocô e Paralela e ainda incrementar as soluções de trânsito rápido com cerca de 59 quilômetros de cinco novas vias para o trânsito rápido, sendo as principais a Linha Viva e a Avenida Atlântica. Para isso, serão duplicadas 33 km de avenidas existentes preparadas para receber o Sistema BRT; execução de novas conexões viárias em desnível nos pontos críticos do Iguatemi, Bonocô, Lucaia, Parque da Cidade, Jardim dos Namorados, Jardim de Alah e Paralela.

Avenida Atlântica

A construção desta avenida será uma alternativa à Paralela com 14,6 quilômetros de pista dupla, com 3 faixas de tráfego por sentido, que começa na Avenida Luís Eduardo Magalhães e termina na Avenida Dorival Caymmi, integrando o Centro de Convenções. A previsão é que o tempo total de deslocamento por esta via seja menor do que 20 minutos.
A Avenida Atlântica contará, ainda, com oito conexões com o sistema viário existente: viadutos, alças e rampas, duas ligações viárias simples (viaduto) e uma ponte suspensa sobre o Parque Metropolitano de Pituaçu. A Ponte de Pituaçu passará por cima do Parque de Pituaçu, e será a primeira ponte pêncil do Brasil, com 1 quilômetro de extensão e 600 metros de vão livre, projetada com tecnologia de ponta para ser muito leve e não interferir na paisagem.
A Avenida ainda criará uma ligação direta desde o Centro de Convenções de Salvador e Avenida Luís Eduardo Magalhães até os bairros de Mussurunga e Piatã. Atende também as regiões do Imbuí, Boca do Rio, Jardim Imperial, Parque de Pituaçu, Patamares, Piatã, Alto do Coqueirinho, Bairro da Paz e Aeroporto Internacional. Beneficiará uma população estimada de 430 mil moradores, residentes nas suas áreas de influência direta.

Linha Viva

Nova Via Expressa de Salvador, a Linha Viva será mais uma alternativa à Paralela, com 20 quilômetros de pista dupla, com 3 faixas de tráfego por sentido, ligando Bonocô e Rótula do Abacaxi ao Aeroporto. Construída sob o regime de Parceria Pública Privada (PPP), terá cobrança de pedágio. O tempo total de deslocamento não ultrapassará os 15 minutos, beneficiando uma população de 780 mil moradores, residentes na sua área de influência direta.
Será implantada na faixa de domínio das linhas de transmissão da CHESF, com nove conexões com o sistema viário existente: viadutos, alças e rampas; vinte ligações viárias simples, por viaduto. Também funcionará como opção de apoio à Avenida Paralela, estabelecendo uma ligação direta do Centro Tradicional e Histórico de Salvador ao CIA-Aeroporto (BA-526) e ao novo trecho da Estrada do Coco (BA-099), através de sua conexão com a Avenida Mário Leal Ferreira (Vale do Bonocô), permitindo uma alternativa de trânsito sem necessidade de utilizar a região do Iguatemi. Atende, também, aos bairros de Pernambués, Cabula, Retiro, Saboeiro, Narandiba, Imbuí, CAB, Sussuarana, S. Rafael/S. Marcos, Parque de Pituaçu, “Miolo” de Salvador, Centro Tecnológico da Bahia, Alphaville II, Bairro da Paz, Mussurunga e São Cristóvão.

Nova Cidade Baixa

Um projeto que vai promover a requalificação urbana, ambiental e paisagística do trecho que vai do Campo Grande até a Ribeira. A proposta principal é abrir a frente marítima da cidade para todos, criando espaços públicos de qualidade e o apoio a um sistema eficiente de transporte público que priorize a articulação de todos os setores da cidade baixa e a conexão com a cidade alta. O projeto tem também como objetivos a melhoria das moradias, através da recuperação e ocupação de edifícios e áreas degradadas, e a implantação de uma rede de equipamentos de grande porte destinados à cultura, ao esporte e ao lazer da população.

Via Expressa

É mais uma via rápida que vai ligar a BR 324 ao Porto, no Comércio, passando pela Avenida Barros Reis e Baixa de Quintas e, no futuro, ainda pode ser ligada à Ponte Salvador-Itaparica. Serão 4,3 km com 10 faixas (4 faixas para veículos de carga, 4 faixas para veículos leves e 2 faixas exclusivas para ônibus, além de 3 túneis e 14 viadutos), ciclovia com três metros e quatro passarelas interligando os bairros. Valorização das residências de 400.00 habitantes, diminuição das carretas na região do Iguatemi e Bonocô e solução para os problemas de tráfego na Rótula do Abacaxi, Ladeira do Cabula, Largo dos Dois Leões e Baixa de Quintas.

Orla

O projeto abrange 12 km de praias e requalifica a orla desde o Jardim de Alah até Itapoan. O objetivo é criar novos equipamentos de uso público, padronizar as barracas de praia, oferecer novos serviços aos banhistas e ainda organizar a circulação de transporte, melhorando o trânsito. Em alguns trechos, a pista vai ser ampliada.

JARDIM DE ALAH - Através de via elevada, soluciona o acesso ao Costa Azul e prevê o alargamento e a implantação de um binário na Avenida Otavio Mangabeira. E também a criação de calçadão e deck, ao longo de todo coqueiral, com pérgolas para massagem, aparelhos para atividades físicas e barracas de praia.

AEROCLUBE - Através de via elevada, reordena o acesso ao centro de convenções e cercanias. Na quadra do Aeroclube, está prevista a revitalização do shopping e de toda área com a criação de um centro de música, aquário municipal em formato piramidal, casa de espetáculos e arena para shows. Todo conjunto desenvolve-se a partir de um lago e de ramblas. Nas áreas circundantes, prevê-se a renovação urbana com ocupação residencial e hoteleira.

BOCA DO RIO - Com a retirada do Clube Bahia, será instalado um núcleo de esportes radicais integrado a diversas quadras poliesportivas com infraestrutura de apoio. Será criado ainda uma torre com restaurante panorâmico e píer.

PARQUE DE PITUAÇU - A ideia é interligar o parque à praia, resgatando a continuidade da sua cobertura vegetal, construindo-se um semimergulhão na Avenida Otavio Mangabeira. Serão implantados centro de visitantes, núcleo de referência ambiental, diversos viveiros, além de um borboletário, criando uma amostra viva da biodiversidade local. Estão previstos ainda 2 sistemas de teleféricos que funcionarão sob forma de concessão. Um deles, com 1,5 km, será paralelo à costa. O segundo, com cerca de 2,5 km, interligará a orla ao futuro Centro Olímpico a ser implantado junto ao estádio Roberto Santos.

RIO JAGUARIBE - A intervenção neste trecho será a supressão da via de automóveis da margem esquerda do rio, criando um parque linear.

PRAIA DE PIATÃ - Na ponta do antigo Casquinha de Siri, será criado um centro gastronômico. O coqueiral e as dunas serão preservados e diversos decks com barracas de praia serão implantados.

PRAIA DE PLACAFORD - A partir deste trecho, a Avenida Otávio Mangabeira passará a contar com 3 faixas de rolamento em cada perna do binário, cujo centro está prevista uma área para renovação urbana.

PRAIA DE ITAPOAN - Implantação da Praça da Sereia, revitalização da Praça da Igreja de Nossa Senhora da Conceição e criação da Praça do Acarajé com um pequeno centro gastronômico. A reordenação viária será feita através de binário. A nova pista à beira-mar vai democratizar o acesso à praia, onde será implantada a área de apoio náutico. O Farol de Itapoan terá o seu entorno revitalizado com a criação de praça e museu náutico.

Promenade Atlântica

Caminho na faixa costeira compreendida entre o Morro do Cristo, na Barra, até a praia das Piscinas das Oliveiras, em Ondina, com aproximadamente 1,5 km de extensão. Serão implantados ciclovia, decks, mirantes, praças, pérgolas, bicicletário, quiosques, equipamentos para prática de exercícios físicos, brinquedos infantis e posto salva-vidas. A utilização de materiais especificados para uso de faixa litorânea, bem como sua correta inserção ambiental, aliado a itens como iluminação feita através da tecnologia de lâmpadas LED, garante uma intervenção sustentável. Ainda em respeito aos cidadãos, os aspectos relativos à acessibilidade estarão igualmente garantidos em sua execução.

Via Histórica

Uma via que liga o Campo da Pólvora, em Nazaré, ao Terreiro de Jesus, no Centro Histórico. A grande novidade desse projeto é uma passarela rolante de 400 metros que vai dar mais conforto a quem anda a pé. O Mercado de São Miguel será reconstruído, e criado um sistema de transporte sobre as encostas, facilitando a acessibilidade e estimulando o turismo com a contemplação das áreas de preservação histórica. O objetivo é revitalizar a Baixa dos Sapateiros, resgatar antigas tradições, atraindo populações de vários segmentos sociais, melhorar sua acessibilidade, incorporando toda a região às principais áreas de preservação histórica.

Terão ainda projetos específicos o bairro de Ondina, Parque das Dunas na Praia do Flamengo, o Parque Tecnológico, a nova Fonte Nova, a Ladeira da Barra, o Cajazeiras Golf Clube, Feira de São Joaquim, Vetor Expansão Oeste, Imbuí e Aeroporto.

Um comentário:

  1. Já tinha conhecimentos de algumas dessas informações. Se isso for real é um grande gancho de vendas para os corretores.

    Jeronimo Carvalho

    ResponderExcluir